Enquanto você não chega, eu me encontro. 
Pratico yoga, ando de patins, faço meditação. Escuto música no mais alto volume, para poder cantar desafinada. Às vezes, mil vezes a mesma música, às vezes, música brega, daquelas que a gente só escuta quando está sozinho. Saio pra dançar samba rock.
Os únicos donos da minha atenção, nos meus raros momentos de folga, são as minhas crianças. E quando elas estão passeando com os pais, os donos da minha atenção são as pessoas que me procuram. E quando ninguém me procura, são os meus pensamentos, os donos de mim. E quando canso deles, dou atenção ao meu coração. Medito, leio vários livros ao mesmo tempo, atualizo os painéis do pinterest.
Não fumo. Cuido das minhas amigas sem culpa ou hora pra voltar pra casa. Olho no espelho e percebo que o tempo está passando, estou ficando diferente, mais flácida, mais vivida. Estou envelhecendo. 
Enquanto você não chega, convido amigos que não estão disponíveis pra sair. Vou à estréias de teatro sozinha. Me deito às 9 da noite com as crianças, quando tenho sono, e compro vinho barato, quando quero beber, para perder a classe, dormir ou rir de mim mesma.
Não te procuro mais  nos aplicativos. Nem na vida real. Dei férias ao coração.
Compartilho do meu amor. Sem tentar impressionar ninguém ou me preocupar em ser alguém pra você gostar. Também... nem daria, porque nem tenho assunto sobre a minha última viagem ou sobre bolsas, óculos ou relógios de marca. Não entendo nada de vinhos, não tenho cartão de crédito, nem cheque especial. Meu passaporte venceu há 5 anos.  Às vezes meu dinheiro acaba muito antes do mês. Todos os dias cultivo o meu sonho: ter uma horta. 
Não se preocupe, estarei bem quando você chegar. Não tenha pressa. Está tudo bem por aqui. Ainda me emociono vendo fotos de casais felizes ou quando uma amiga encontra um amor, e lembro: sim, os encontros acontecem!
Sinto sua falta, mesmo sem te conhecer. Penso que seria bom abrir o vinho barato e dar risadas de nós mesmos. Penso em como será bom quando você estiver pronto para mim, porque assim seguiremos juntos, em frente amenizando as nossas vidas, enfrentando a nós mesmos. E seremos cúmplices das tristezas, das alegrias, dos medos e dos sonhos. Cúmplices de uma vida.  
Sim, estamos ficando prontos para nós. E uma certeza, eu tenho: Não quero mais competidores, arrasadores de pessoas. Não quero mais quem só olha para fora. Não quero mais ciúmes, acusações, choros. Não quero mais só sexo! Não tenho mais tempo pra isso.
Quero um amor. Um aliado. Que me aceite toda estranha, meio hippie e contraditória do jeito que sou. 
Que entenda sobre compartilhar o amor.
É tempo! 
Mas não tenha pressa, está tudo bem por aqui.
 

Comment