1 Comment

quem nunca foi rejeitado levanta a mão

as maiores dores do ser humano vem da rejeição.

quando você é rejeitado por alguém, é porque você não faz mais parte da história daquela pessoa.

ou nunca fez.

uma pessoa rejeitada pode se tornar amarga, rancorosa e maldizer à todos. 

ou ela pode transformar essa rejeição em amor por ela e por todos à sua volta, inclusive para quem a rejeitou.

tudo é um processo. um processo de escolha.

a raiva chega, a impotência se instaura, o desespero da sedução se faz presente.

você passa um bom tempo, mostrando pra ela que você é legal, que você vale à pena.

você faz planos com ela. e quer porque quer, porque quer. simples assim.

e aprende sobre apegos e desapegos, sobre como você pode ser e se tornar uma pessoa melhor.

para si e para o amor chega.

1 Comment

1 Comment

Encontre o seu Encaixe com o Universo

Por Renata Quintella

O conceito de empreendedorismo foi utilizado inicialmente pelo economista Joseph Schumpeter, em 1950.

Entre inúmeros significados, empreender significa acreditar.

Eu acredito no ser humano.

 Para os filósofos, empreendedorimo também significa agregar valor. Eu agrego valor à força que temos quando nos unimos, porque sei que um empreendedor com amor, pode mudar o mundo.

Acredito que um empreendedor encontrou o seu encaixe com o Universo. Porque todo mundo tem o seu encaixe com Ele, e quando este encaixe acontece, você fica em paz, sua alma brilha e voltar atrás não é uma opção. Eu me encaixei com o Universo.

 No dia  05 de junho de 2013 quando saí pelas ruas, abordando desconhecidos com a pergunta: O que eu posso fazer por você agora? Meses depois, essa ação ganhou o reconhecimento nacional nos principais programas de TV do Brasil.

Meses depois, nasceu o Instituto A Nossa Jornada**, que conta hoje com 19 voluntários e 55 mil seguidores nas Redes Sociais.

Já atuamos na vida de mais de 3 mil pessoas.

Sem nenhum patrocínio de nenhuma empresa ou Instituição, eu sustento o Instituto e meus 3 filhos, com alguma dificuldade, escrevendo roteiros, fazendo palestras pelo Brasil, contando da força de gente cuidando de gente e criando crowdfundings para projetos específicos.

Nós somos o ar para quem nos procura pegar fôlego e continuar sua solitária jornada - no fundo somos todos sozinhos em nossos aprendizados diários. Mas quando conseguimos olhar para o lado e ajudar o nosso irmão, a caminhada fica mais leve para nós dois.

No Instituto A Nossa Jornada**  conectamos pessoas. Somos a ponte entre quem precisa de ajuda e quem pode ajudar.

E cuidando da dor do outro, encaixamos as nossas próprias dores em nosso peito e respiramos mais aliviados.

Além  das atuações pontuais na vida de quem nos procura, temos 4 frentes de grande impacto social ativos no Brasil e no mundo.

1 – A Jornada de um Sorriso: Um consultório Odontológico construído voluntariamente onde atenderemos jovens com dependência química.

2 – The Jouney At Viela: Aulas de inglês para as crianças dentro da Comunidade Jardim Ibirapuera na Zona Sul de São Paulo.

3 – Projeto Bem Vindo – Você chegou em casa. Nele, as famílias brasileiras hospedam um refugiado em casa.

4 – A Jornada dos Sonhos Africanos. Realizamos os sonhos de Refugiados de Guerra vindos do Congo para o Kenya. Empoderamos duas mulheres e hoje o Jacob faz faculdade de psicologia graças à vendas dos produtos que ele faz e nós vendemos no Brasil.

A luta é diária. É cruel. Árdua. Dolorida. Mas despertar nas pessoas o sentimento de gratidão etransformar tantos mundos dentro de cada um de nós, faz TUDO valer a pena.

A cada porta que se fecha – e não são poucas - eu agradeço pela oportunidade do aprendizado. Ao mesmo tempo em que uma ira toma conta de mim. Porque ira é movimento, não é raiva. Ira transforma. E esse movimento transformador, se une com o mesmo movimento de outras pessoas e essa onda gera milagres inacreditáveis. Eu já vi e vivi alguns.

E a cada porta que se abre – que não são muitas – eu agradeço e reverêncio a oportunidade do aprendizado E entro nela! E acredito nas pessoas que lá estão.

Medo, tenho muitos. Mas ser corajoso não é o que não tem medo. Corajoso é quem tem medo e mesmo assim vai. O outro é um irresponsável. Nunca deixei o medo me paralisar. Nem quando fui diagnosticada com Síndrome do Pânico, há muitos anos atrás.

Aprendi nessa minha caminhada de quase 4 anos, a saber lidar com o  amor e as armadilhas do ego. Porque se abandonamos o nosso senso de conexão com o outro – nossa gratidão, nossa sensibilidade, nosso amor – não há limite para a tristeza, para a dor e para o que o nosso ego desenfreado pode causar.

Como disse Martin Luther King: “ O poder sem o amor é imprudente e abusivo,  e o amor sem o poder é sentimental e anêmico.” Fonte do livro: Poder & Amor – Teoria e Prárica da Mudança Social – Adam Kahane

 Empreender é isso. É não desistir nunca. É nem pensar nessa possibilidade.  É acordar todos os dias com a mesma vontade de vencer. É contar a sua história com o mesmo entusiasmo 1 milhão de vezes.  É acreditar em você mesmo quando o mundo diz não acreditar.

Eu te desejo o teu encaixe com o Universo.

Saiba tudo sobre nós: www.institutoanossajornada.org

Faça parte: https://recorrente.benfeitoria.com/ajornadadarenata

 

 

 

1 Comment

1 Comment

O ano em me me desapaixonei.

 

2016 será lembrado como o ano que me desapaixonei.

E que descobri os prazeres e as dores da solidão.

Ao mesmo tempo foi o ano em que amei e que fui muito grata à vida. 

Descobri e redescobri amigos. 

Entendi o que é uma amizade de verdade.

Assisti os meus filhos a aprenderem coisas novas. 

Tive que tomar decisões difíceis sozinha. 

Vi minha mãe sendo minha companheira de jornada. 

Eu e meus irmãos nos unimos para cuidarmos do meu pai.

Aprendi à nadar. E fiz yoga. E terapias. E cuidei um tiquinho de mim.

E lutei muito.

Comecei do zero todos os meses, as inúmeras contas à pagar. 

2016 será lembrado como o ano que levei a Tocha Olímpica. 

O ano que entrei com um processo para simplesmente poder conversar como meu ex-marido. Vejam vocês!

Com ajuda de muitas pessoas, atuamos em quase 1.000 jornadas. Vi mais de 2 mil sorrisos.

Fiz 15 Palestras: "O que eu Posso Fazer Por Você Agora?" Falei para quase 7 mil pessoas.

Realizei meu sonho de palestrar no TEDx São Paulo, na sala São Paulo, mesmo não tendo ninguém ao meu lado
pra compartilhar esse sonho, quando cheguei em casa.

É disso que sinto mais falta. De sonhos compartilhados. De uma cumplicidade na hora de escolhar qual fogão comprar, qual casa alugar, qual comida faremos para o jantar.

2016 foi o ano em que minha conta que só tinha R$ 141,00 foi bloqueada judicialmente.

Me descobri celíaca. 

Pessoas desistiram de mim.

Aprendi a respirar. E a confiar.

2016 será lembrado como o ano em que aprendi que para sempre ouvirei a minha intuição sem pestanejar, porque na hora em que aquelas pessoas não foram honestas comigo e me fizeram tristes, a voz voltou ao meu ouvido, gritando: 

- Você já sabia!! Não chore!!!

Processei um banco. Um banco me processou.

Mesmo quando todo mundo duvidou de mim, eu disse para eles e para mim: eu vou conseguir! eu vou dar certo!

Recebi ajuda de muitos amigos.

Desisti de alguns.

Visitei o João de Deus.

E nunca desisti de mim.

Continuarei sozinha.

Não, não virei e não me redescobri Gay. 

Apenas desisti de me apaixonar. Não espero por ninguém.

Ando cansada de projetar e de projeções.

Mas amar... vou sempre amar.

Amo cada pessoa que faz ou fez parte da minha vida e de mim.

Em 2016 aprendi que o mundo nos trata como nós NOS tratamos. É um reflexo real.

Que 2017 seja leve, cheio de sonhos realizados e de muitos amores, de todas as formas de amar.

E que você nunca desista. De você. Mesmo que o mundo desista.

1 Comment

Comment

A Vida por aqui...

Não é bolinho não. Às vezes a gente dá uma choradinha. Por meia hora. É o tempo que me permito parar pra respirar e pensar que o melhor ainda está por vir. Que a vida pegue leve com você! E comigo. Vamos juntos, na caminhada da vida! <3 

Comment

Comment

Já era hora.

Já era hora de mostrarmos presença

É dito que a mente que se abre para uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original. O mesmo podemos dizer do coração, que ao se preencher de amor e esperança jamais será o mesmo. Ao ser preenchido de tais sentimentos se tornará servidor, com desejos de contribuir, entregar e compartilhar de uma sociedade mais justa e sustentável.

Elena Crescia comentou no encerramento do evento TEDx que a gratidão é mais forte que a vergonha. E é por este sentimento de gratidão que escrevo este artigo.                                                                                                                                          

No dia 02 de novembro de 2016, feriado de finados, observei a metamorfose da plateia na sala São Paulo. Mais de 1.500 pessoas vivenciando o processo de transformação de crenças e sensações.

Seria muita ousadia de minha parte escrever sobre este evento e sobre as mulheres e homens incríveis que transformaram a sala São Paulo. Mas esta ousadia é justamente uma das emoções que elas despertaram em mim!

Devo nada para ninguém. Não estamos falando de finanças aqui. E respeitando que cada um pode pensar exatamente o que quiser, expresso o que transborda de meu coração.

Jamais poderia imaginar estar na presença de tanta diversidade e riqueza de pessoas ao mesmo tempo. Um cenário florido, gerações de ideias e ideais representados por flores, árvores, borboletas, altas, baixas, loiras, morenas, negras, alpinistas, filósofos, sambistas, mães, filhas, irmãs, tias, enfim... pessoas reais! A sensação era de estar diante de um belo jardim com toda sua possibilidade de cores, fragrâncias, formas, belezas, raízes, sons e harmonias.

Se há palavra para descrever a grandeza e graciosidade deste evento, me contem, por favor!

Neste sublime TEDx, tivemos o privilégio de sermos despertos e tornarmos conscientes do que nos cerca, das pessoas que nos cercam.

Nada do que foi dito no evento é novidade, porém a doçura, sinceridade e força das palavras ditas caíram direto da cabeça para o coração.  Acenderam aquela luz que todos temos, aquela luz que nos toca, que nos encaixa e diz que a gente pertence! Pertence a si, pertence ao outro, pertence à vida.

Mulheres inspiradoras, não salvadoras. Elas não mostraram um caminho, mostraram que há caminhos para trilhar. Caminhos possíveis entre mares e montanhas, caminhos entre rimas e melodias. Inúmeras estradas possíveis se você despertar. Somos criadores do tempo e das trilhas.

Simplicidade. Essa foi a maneira como as experiências foram compartilhadas, por isso conseguimos vivencia-las em nossa alma.

Basta serenidade no coração ao olhar para o próximo e perguntar: o que eu posso fazer por você agora?

Gratidão. Adriana Foz, Alice Kuhl Rossi, Eddie, Elena Crescria, Mafoane Odara, Mariana Battaglia, Nina Oliveira, Paulo Roberto Ramos Ferreira, Preta-Rara, Raquel Preto, Renata Quintella, Ruth Manus, Sandra Chemin, Sergio Barbosa, Thaís Pegoraro, Titanium in Concert, Trio Gloss, Viviane Duarte.

Por Cintia Pelissari | Novembro 2016.

Comment

1 Comment

Adeus, meu amor.

Chegou a nossa hora de dizer adeus. Você foi minha grande companheira durante 10 anos. Sua compra foi assunto de uma sessão inteira de terapia. Com você vivi os momentos mais lindos e os mais difíceis da minha vida. Minha amiga de uma década. Quando eu não sabia como ir, ia com você, quando não sabia pra onde ir, ia com você. Quando não sabia com quem ir, ia com você. Você foi testemunha do começo de um casamento e de dois terminados. Você esteve comigo nos encontros mais inesquecíveis que tive, nas paixões avassaladoras e nos desencontros mais dolorosos e inexplicáveis. Juntas assistimos dezenas de filmes, fomos à shows inesquecíveis, viajamos o tanto quanto pudemos e você foi a estrela no meu último comercial de TV, há 3 meses. A figurinista preferiu você às 10 outras que ela levou pra mim. (claro, mal sabia ela
que somos praticamente a mesma pessoa) Parece que você sabia da nossa separação. Estava chegando a hora da despedida. Você foi o meu guia de emagrecimento nas duas gerações que você me acompanhou. Porque quando a barriga chegava de vez, você era dobrada com amor e dava lugar às calças para gestantes. Depois que os bebês nasciam, eu amamentava e era você a minha meta para a volta do meu corpo numero 40. E voltava. Só pra te ter de novo em mim. 
E era minha alegria. Ontem chegou o nosso fim. No meio de um show lindo, a gente se olhou e entendi que acabou. Você começou a desmanchar no meu corpo, literalmente. Rasgou em lugares ainda estavam inteiros e eu só te pedi pra esperar chegar em casa, porque eu já não tenho mais idade de ficar de calcinha por aí. E você entendeu. E hoje, vou te dobrar e te guardar como se guarda um grande amor. #diesel #adeusmeuamor

 

1 Comment

Comment

Oi novos vizinhos do apto. 401

Eu sou a Renata e moro no  701, com o Theo de 12 anos, o Levi que tem 7 e a Gaia que tem 5.
Moramos nós 4, há 2 anos e meio.
Nosso apartamento é alugado e fica bem abaixo do salão de festas, onde vocês fizeram a festa de inauguração da chegada de vocês no prédio.
No último sábado, achamos que nosso teto ia desabar, porque o gesso colocando pelo proprietário se mexia com a música e alegria dos seus convidados.

Alegria que fiquei triste em ter que pedir para que vocês parassem com ela, já que a vida muitas vezes, dá umas porradas na gente.

Adoramos festas, mas festas que começam e que terminam cedo, porque as crianças ainda são pequenas e precisam descansar, para o mundo que elas vivem todos os dias.

Depois de horas tentando dormir, já eram 3 horas da manhã, quando a Gaia, acordou chorando e me chamando, perguntando se estava tendo um terremoto.
Foi quando parei meus estudos sobre Ética e Cidadania - vejam vocês - já que tinha desistido de dormir e fui bater na porta do salão para perguntar quem era o dono da festa.

Me deparei com gente feliz, colorida e brilhante. Mas pedi que paracem de dançar, porque a gente precisava descansar.

Às 4h00, a festa acabou. Mesmo tempo em que a vizinha do 702 - bem mais amarga e indignada - conseguiu falar com a polícia.

Nós conseguimos dormir às 5h00 e às 7h00 eu saí para um trabalho voluntário numa comunidade muito carente, há 40 minutos da minha casa e pensei:

- Os donos da festa com certeza estão dormindo e a pior ressaca é a ressaca da festa dos outros, em que a gente não teve escolha.

Escrevo para dizer, que não deixem de comemorar a vida.

E quanto mais cedo, melhor. Principalmente se for no salão de festas, em cima de nossas cabeças.

;)Sejam bem vindos.

Renata, Theo, Levi e Gaia.
Apt. 701

Comment

Comment

Quem se Atreve.

foram os 200 metros mais amorosos que pude viver. pensei nas crianças - nas minhas e nas suas - nos índios - uso singelamente um brinco deles - nos meus amigos, no meu pai, na minha mãe, no meu irmão, na minha família. nos refugiados, nos meu voluntários, em todos que estão ao meu lado, nos amores e pessoas que se foram. todos caminharam comigo. gratidão  pelo convite e Ticha Godoy por tudo.
amor, amor e amor. seguimos.
Wania Fuzeti e Thelma Fuzetti Morano vocês estavam literalmente correndo ao meu lado :D :D sou grata!
‪#‎quemseatreve‬ ‪#‎narotadatocha‬ #nissan ‪#‎tochaolimpica‬ A Jornada de Renata Quintella ‪#‎oqueeupossofazerporvocêagora‬

Comment

Comment

O fogo que une os povos, é nosso.

Ei você do Guarujá, vamos nos encontrar? Vou conduzir a Tocha Olímpica e amar ver você por lá! É sexta-feira, dia 22.
Aqui estão todos os detalhes sobre onde e quando levaremos o fogo que une os povos:
Data: 22/07/16
Cidade: Guarujá
Número de identificação: 120.
Ponto de partida (previsão): Av. Miguel Estéfano, 1255-1367 - Jardim Tejereba, Guarujá - SP, 11440-530, Brazil
Referência: Av. Miguel Estéfano esquina com a R. Peru
Horário de partida (previsão): 15:26
Final do percurso (previsão): Av. Miguel Estéfano, 1486-1582 - Jardim Tres Marias, Guarujá - SP, 11440-531, Brazil
Te espero!

Comment

Comment

Diante de uma história que não te pertence mais, se encontre!

Desde que meu ex-namorado voltou com a ex-namorada dele, mais rica, mais disponível, mais viajada, mais livre do que eu, eu me fechei para os relacionamentos amorosos.

Não estou disponível nem para um encontrinho casual.

Ando sem paciência para textinhos melados de relacionamentos. E pra joguinhos de sedução, então...
Nunca me senti tão vazia e tão preenchida ao mesmo tempo.

Então, quando você se ver, parada ou parado diante de uma história de amor que já não existe mais, olhe ao seu redor e perceba a linda vida que te espera pra ser vivida.

Faça yoga, aprenda a nadar, troque as cordas do seu violão - mesmo aos quase 42 do segundo tempo -  planeje uma viagem com seus filhos, vá ao teatro com o seu mais velho, vá ao cinema sozinha, fique amiga de um Pajé, faça todas as terapias convencionais e alternativas que puder. Tente voltar a meditar. Carregue a Tocha Olímpica. Assista filmes com os seus filhos todas as noites. Se encontre. Faça novos amigos, celebre os antigos. 

Troque uma massagem com a sua amiga massagista por um jantar, brinque de boneca com a sua filha, se ofereça para trabalhar, reinvente a sua palestra, volte às aulas de violão, faça mais uma tatuagem, planeje seu livro, saia da zona conforto e aceite as novas escolhas. Compre um vinho e volte a cozinhar. Jante sozinha. Seja dona do seu tempo. Ajude quem precisa de você. Pense que você sempre pode ir além da tristeza, reencontrar a paz e se reconectar com você mesma. Por mais amor, em nós e por nós !

Comment

Comment

Eu sinto muito

Eu sinto muito. Sinto pelo meio mundo que enxergamos. Sinto por você ter confundido o seu amor. O seu próprio amor.

Sinto pela minha confiança. Sinto muito por não ter nos entendido. Sinto por você, por mim.

Sinto por você ter entendido tudo errado e eu por não ter conseguido me explicar. Sinto por você nunca ter me pertencido. Sinto pelo meu celular quebrado e pela sua mania de voltar ao conhecido.

Não, não fiquei chateada porque você me tirou de um vídeo que aliás, não tive a menor curiosidade em ver, porque de verdade eu não queria mais sorrir. E sabendo que no dia da gravação deste vídeo, você alimentava a esperança de um outro amor. Eu sinto muito. Eu sinto por você não ter me esperado.

Eu sinto muito por nós, por você, por mim, por ela.

Mesmo sonhando com você quando durmo ainda, não te encontro mais no histórico de buscas das redes sociais e não visito mais lugares que não existem.

Não, não quero brigar, só dizer que sinto muito. Por que onde quer que esteja e viaje e ache que estará com alguém, terá uma única companhia: a sua. Desejo que você se ame e se aceite. E se encontre e reencontre. E que tenha tudo o que conhece como: felicidade.

Mesmo. Obrigada pela companhia dos últimos meses.

Comment